terça-feira, 1 de dezembro de 2009

a bala que liberta



Lento caminhou para fora de casa. Olhou para os dois lados. Atravessou a rua. Suspirou cansado. Limpou o suor frio da testa. Pegou um revólver calibre 38 e atirou na própria boca. Será que o barulho acordou sua esposa? Seus filhos? Toda a sociedade? Será que um vira-lata sujo lambeu seu sangue na calçada? Quem foi que disse que a vida é uma doença degenerativa e sexualmente transmissível?

2 comentários:

Anônimo disse...

OMG, o que tá acontecendo???? Você tá postando aqui, e o Priútirinhas??
omg tinoco sua última postagem foi a muito tempo... estou com saudades... =(
você parou de poastar sem explicações... Provavelmente você achava que era somente seus amigos que liam... eu adorava... =/
se você for parar mesmo com o blog por favor, faz uma tirinha de despedida ;)

Roberta disse...

querido,
sou um pouco lenta com coisas que vêm dentro de máquinas, então perdoe a demora em respoder-te e aqui entrar, para uma primeira visitinha, já muito prazeirosa!
E como andam textos e leituras? Atirando pra dentro, pra fora, pra onde? será muito bom acompanhar-te. Um beijo imenso, Ro